Acerte na dose e faça do café aliado da sua saúde.

Acerte na dose e faça do café aliado da sua saúde.

A quantidade varia entre o expresso e o coado, mas os efeitos positivos são os mesmos.

Que gosto tem o Brasil? Se você nem parou para pensar e já disse café, acertou em cheio. O consumo desta bebida é o grande destaque na mesa dos brasileiros, de acordo com a Pesquisa de Orçamentos Familiares do IBGE, finalizada em julho de 2011 – nem a mesmo a dupla formada por arroz e feijão é capaz de desbancar as xícaras com aroma de fazenda.

As dúvidas sobre o assunto, no entanto, às vezes tornam a pausa para o cafezinho num dilema. Medo de perder o sono, interferência da cafeína nos resultados do treino e até associação da bebida com o surgimento de algumas doenças estão entre as polêmicas. Existem muitas pesquisas sobre o assunto e algumas trazem resultados conflitantes.

O único consenso, por enquanto, estabelece a quantidade máxima recomendada por dia: de 300 a 400mg de cafeína, equivalentes a três ou quatro xícaras médias de café coado, ou a metade disso na versão expressa, que é mais concentrada. Limitando-se a essa dose, você aumenta suas chances de potencializar os efeitos positivos do café sem sofrer com os eventuais riscos dos exageros. Veja abaixo relações recentes que os pesquisadores descobriram entre o delicioso café e a saúde de quem não abre mão deste prazer.

1- O café pode proteger contra o câncer? 

As pesquisas divergem sobre o assunto. Mas há estudiosos já totalmente convencidos de que o café é capaz de proteger contra câncer de fígado, rim, colo-retal e câncer de mama no período da pré-menopausa. O café é rico em antioxidantes, substâncias que promovem a renovação celular e ajudam o organismo a combater doenças, incluindo o câncer.

2- Cafeína acelera o ganho de massa muscular? 

A cafeína acelera a perda de gordura, e não o ganho de massa muscular. Isso acontece porque o café é uma bebida termogênica, ou seja, tem capacidade de aumentar o metabolismo basal e obrigar o corpo a gastar mais energia. A cafeína também diminui a fadiga e melhora o rendimento do atleta. Graças ao aumento de disposição, o aluno treina mais pesado e ganha mais massa muscular

3- Café ajuda na prevenção do Alzheimer?

Já foi comprovado que a cafeína age como protetora do organismo contra o Alzheimer e outras demências. A explicação para o feito ainda não é clara: por enquanto, a ação antioxidante e anti-inflamatória da bebida competem pela atenção dos cientistas. Mas há outra hipótese sendo testada: a cafeína estimularia a produção e a renovação do líquor, liquido que irriga o cérebro. Conforme a idade avança, a produção deste líquido diminui. Com isso, as substâncias tóxicas demoram mais tempo para serem eliminadas e podem surgir danos no cérebro.

4- O café ajuda a tratar doenças do fígado? 

O consumo acima de três copos diários de cafeína diminuiria a progressão da fibrose do fígado, potencializando o efeito dos medicamentos usados para restaurar o funcionamento da glândula. A quantidade acima do recomendado, entretanto, pode trazer outros riscos, como:

– Elevação da pressão arterial (pessoas hipertensas devem evitar consumir mais de 500mg/ dia de cafeína);

– Arritmia cardíaca: a cafeína aumenta a frequência cardíaca;

– Piora de quadros gástricos, como refluxo e gastrite, porque a cafeína irrita o sistema digestivo, principalmente quando o consumo é em jejum;

– Dificuldade para absorção do cálcio, pois a cafeína reduz a absorção intestinal desse mineral, contribuindo para o aparecimento da osteoporose. Mas há notícias comprovadamente positivas: apenas uma xícara de café por dia contribui para proteger o fígado contra cirrose ao reduzir os níveis de enzima hepática (relacionada ao surgimento da cirrose alcoólica).

5- O café pode ajudar a prevenir doença de Parkinson? 

O consumo médio de três xicaras de café por dia diminui a incidência de Doença de Parkinson. Isso ocorreria porque a bebida tem substâncias neuroprotetoras, que retardam a degeneração cerebral causadora da doença.

6- O café pode ajudar a prevenir depressão? 

O consumo de cafeína diminui a inflamação na área do cérebro responsável pelas emoções, problema relacionado à depressão. O café contém boas doses de ácido clorogênico, substância de conhecida ação anti-inflamatória, também encontrada em vegetais amarelos ou avermelhados, como tomate, cenoura, pimentão, abacaxi e morango. Pessoas mais predispostas à depressão por queda de neurotransmissores como dopamina e noradrenalina (responsáveis pela atenção, cognição e bem-estar mental) têm uma aliada na cafeína. A cafeína aperfeiçoa a ação desses neurotransmissores. Mas é preciso ter cuidado com a dose, porque o excesso está associado à ansiedade.

7- Qual a relação do café com o diabetes?

O consumo de cafeína está relacionado a uma menor incidência de diabetes. O café, consumido logo após as refeições, diminui a absorção da glicose pelo organismo. Além disso, a cafeína leva ao aumento dos níveis circulantes de uma proteína chamada SHBG, que reduz o desenvolvimento de diabetes tipo 2.

8- Café é capaz de prevenir doenças do coração? 

Sim, provavelmente por conta de seu efeito anti-inflamatório, que deixa as veias livres para o sangue circular. Mas atenção: a proteção cai por terra caso o consumo de café ou outras substâncias ricas em cafeína (como chá mate, chá preto e refrigerantes de cola) alcance mais de 800mg/dia cafeína.

9- O café interfere nos níveis de colesterol?

Os especialistas orientam evitar o consumo do expresso, que possui cafestol, capaz de elevar os níveis de colesterol – essa substância sequestra os receptores do intestino responsáveis por manter essas taxas estáveis. Quando o café é coado, essas substâncias ficam retidas no filtro de papel e o efeito é cortado.

10- Crianças podem tomar café? E gestantes?

As crianças podem tomar café, desde que não ultrapassem 45mg/dia (cerca de meia xícara). O sistema neurológico infantil é mais sensível e o excesso de cafeína pode prejudicá-lo. Mas, mantido este cuidado com a quantidade, o café pode aumentar a concentração e a disposição mental, ajudando crianças com déficit de atenção. Embora o consumo de cafeína não esteja relacionado à má formação ou retardo do crescimento uterino, o ideal é que a gestante não consuma quantidades muito altas de cafeína, sendo o limite seguro de 300mg/dia, isso por que o consumo excessivo de café pode levar à perda de peso da gestante e do feto.

11- Café realmente tira nosso sono?

Sim. Isso acontece porque o consumo de cafeína bloqueia a ação de um componente químico do cérebro, que determina à necessidade de sono e desperta a vontade de dormir. Os efeitos da cafeína persistem por quatro a seis horas após o consumo. É preciso ter isso em vista para que uma xícara de café não se transforme em gatilho para a insônia.